Esportes

Dirigente do CSP diz que MPPB é contra o futebol na Paraíba

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) está preocupado com a iminente retomada do Campeonato Paraibano, marcada para daqui a pouco mais de três semanas, no dia 18 de julho. Por isso, por meio do Núcleo do Desporto e Defesa do Torcedor (Nudetor) e do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), pediu explicações à Federação Paraibana de Futebol (FPF), que foi quem, junto com os clubes da 1ª divisão, estabeleceu essa data, com finalização da competição prevista para 9 de agosto. Neste sentido o Nudetor e o Procon baixaram uma portaria conjunta através da qual solicitam da FPF algumas informações que julgam de extrema relevância em meio a essa intenção de retomada do principal campeonato de futebol da Paraíba. Mais tais medidas causaram divergências e surpresas, como para o presidente do CSP, Josivaldo Alves, que disse que o MP vem se comportando como se fosse contra o futebol da Paraíba, nos últimos anos.

“Ora, nós sabemos que os membros do MP são humanos e suscetíveis a erros, mas porque as cobranças são sempre aos clubes e não lutam pelos nossos direitos. Por que o órgão não cobra das instituições que devem aos clubes? Por que não forçam os nossos devedores a cumprirem a lei e pagarem o que nos devem? Parece até que o futebol é o câncer da nação, quando na verdade é o maior entretenimento do brasileiro, seja para praticar ou para assistir. Desta forma, os clubes vão falir e muita gente vai perder emprego, pais de famílias etc. É uma questão social, mas ninguém ver isso. Na hora de cobrar sempre chegam às vésperas das competições”, disse Josivaldo Alves.

O presidente do CSP disse ainda que soube que a Secretaria de Saúde do Estado iria disponibilizar os testes para covid-19, exigidos no protocolo, para aqueles clubes que não tinham ainda conseguido, e não o fez por causa da interferência do Ministério Público. “Até nisso nós somos prejudicados. Nós iríamos ter os testes, porque não podemos pagar. Outra coisa, a FPF, que resolveu atender ao pedido da CBF de paralisar o Campeonato Paraibano, antes do que deveria, que busque junto a essa própria CBF, a ajuda agora para reparar os prejuízos dos clubes. A competição poderia ter ido até o final da fase de classificação, quando a pandemia ainda não tinha atingido o Estado. Se tivesse feito isso, apenas 4 clubes hoje estariam na competição e os demais estariam livres de novas despesas. Agora, estamos todos pagando por isso”, comentou.

Entre as explicações solicitadas à Federação, estão as seguintes, que precisam ser dadas ao Ministério Público dentro de um prazo de cinco dias a partir da notificação:

  • Informações sobre os protocolos de prevenção a serem adotados para evitar a contaminação pela Covid-19 em eventual retorno do campeonato de futebol;
  • Como estão sendo controlados os exames para detecção da doença nos jogadores e na comissão técnica dos clubes;
  • A relação dos estádios que presumidamente serão utilizados nos jogos deste ano;
  • Quais clubes estão realizando testes nos jogadores e comissão técnica;
  • Quantas pessoas – dentre jogadores e membros da comissão técnica – tiveram resultado positivo para a Covid-19, discriminando as quantidades por clube.
    O coordenador do Nudetor, o procurador de Justiça Valberto Lira, já havia se manifestado contrário ao retorno do Campeonato Paraibano neste momento. Para ele, retomar a competição em meio à “situação de emergência” em saúde vivida pela Paraíba gera risco à saúde e à vida dos envolvidos. Porque, no seu entendimento, mesmo que as partidas aconteçam sem a presença do torcedor nas arquibancadas, essa retomada da competição vai incentivar a aglomeração de pessoas no entorno das praças esportivas em dias de jogos e a possível quebra das regras de isolamento social e outras regras de prevenção à Covid-19.

Redação

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios