Economia

Arrecadação de impostos estaduais fica estável pela primeira vez durante a pandemia na Paraíba

Em valores absolutos, houve recolhimento semelhante de R$ 133,1 milhões nos dois períodos do decêndio de julho/2019 e de julho/2020.

De 1º a 10 de julho de 2020, a arrecadação dos três impostos estaduais (ICMS, IPVA e ITCD) ficou estável (0,01%) pela primeira vez, durante o período da pandemia, quando comparada a  igual período de 2019. É o que aponta a décima edição do Boletim Covid-19 da Secretaria de Estado da Fazenda da Paraíba (Sefaz-PB).

Em valores absolutos, houve recolhimento semelhante de R$ 133,1 milhões nos dois períodos  do decêndio de julho/2019 e de julho/2020. Analisando os três impostos isoladamente no  primeiro decêndio de julho/2020, e comparando com igual período de 2019, constatou-se que  houve redução em dois impostos: Imposto sobre Transmissão Causa mortis e Doação – ITCD (38,66%); e Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS (2,52%). Já o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores -IPVA apresentou expansão de 29,14%.

Comportamento da arrecadação dos impostos por setor

Analisando a arrecadação do ICMS por setor, no primeiro decêndio de julho/2020 sobre igual período de 2019, três dos cinco setores que mais contribuíram com a arrecadação (Varejista,  Atacadista e Energia  Elétrica) apresentaram comportamento de elevação da receita. Os outros dois setores registraram perdas: Petróleo, Combustíveis e Lubrificantes (21,32%) e Indústria (13,65%). Já o Varejista liderou a expansão em julho/2020, seguido pelos setores Atacadista e de Energia Elétrica.

Em valores absolutos, houve elevação na arrecadação dos segmentos Varejista (R$ 8,3  milhões) e Atacadista (R$ 2,4 milhões). Os segmentos Petróleo, Combustíveis e Lubrificantes (R$ 6,9 milhões) e Indústria (R$ 6,7 milhões) apresentaram os maiores decréscimos.

A arrecadação das cinco Gerências Regionais, no  período de 1º a 10 de julho/2020, registrou expansão em comparação  com igual período de 2019. Em valores absolutos, a arrecadação  apresentou  elevação de R$ 7,6  milhões em julho/2020. A 1ª Gerência Regional concentrou a maior arrecadação de julho (R$ 5,9 milhões), resultando numa participação de 77,36%.

No período de 1º de abril a 10 de julho/2020, as perdas acumuladas do ICMS, IPVA e ITCD somam R$ 238,9 milhões, resultando numa diferença negativa de 14,34%. Em valores absolutos, o ICMS liderou as perdas com R$ 209,6 milhões, seguido do ITCD com R$ 16,5 milhões e do IPVA com R$ 12,7 milhões.

No período de 1º janeiro a 10 de julho/2020 a arrecadação acumulada do ICMS, IPVA e ITCD apresentou uma queda de 4,89%, sobre igual período de 2019, o que representa uma diferença a menor de R$ 156 milhões. Em valores absolutos, os três impostos arrecadaram R$ 3,191 bilhões no acumulado 1º janeiro a 10 de julho/2019 contra R$ 3,035 bilhões sobre igual período de 2020.

Emissão de notas fiscais

A quantidade de emissões de Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e  e  NFC-e), um dos indicadores  para medir a atividade econômica, registrou  uma retração de 12,45%, no primeiro decêndio de julho/2020 sobre igual período do ano passado, caindo de 9,869 milhões (julho/2019) para  8,640 milhões (julho/2020), em unidades de notas emitidas.

Ao analisar separadamente os dois documentos fiscais, observa-se uma retração de 14,73% na emissão de Nota Fiscal ao Consumidor eletrônica (NFC-e), no primeiro decêndio de julho/2020,  enquanto a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) apresenta alta expressiva de 21,58%. O volume de emissões da NFC-e somou 9,249 milhões de unidades em 2019, quando comparado com 7,886  milhões de unidades no primeiro decêndio de junho/2020. Já a quantidade de NF-e passou de 620 mil unidades em  julho/2019 para 754 mil unidades em  julho/2020.

No primeiro decêndio de julho/2020 sobre igual período do ano passado, a participação da quantidade de emissões de NFC-e, nos estabelecimentos comerciais, manteve o patamar das semanas anteriores, participando com 91,27%, enquanto a NF-e ficou com 8,73% do total. Ao  analisar os valores emitidos pelos dois documentos fiscais, a tendência muda. A participação da  NF-e concentrou 69,15% do total dos valores, enquanto a da NFC-e foi de 30,85%, no período de 1º a 10 de julho de 2020.

O valor dos documentos fiscais no  primeiro decêndio de julho/2020, comparado com igual período de 2019, expandiu em 16,63%. Quando  recortada, a participação dos segmentos mais  relevantes apresenta um crescimento em três dos quatro maiores setores: o Atacadista liderou  com uma forte expansão de 36,37%, seguido da Indústria (19,23%) e do Varejista (16,96%). O único segmento que manteve retração foi o de Petróleo, Combustíveis e Lubrificantes (6,83%).

Na expansão de crescimento dos valores dos documentos fiscais, cinco setores/segmentos, por  CNAE, se destacaram com alta nas vendas, no primeiro decêndio de  julho/2020 sobre igual  período de 2019. Em primeiro, o Comércio atacadista de cosmético e produtos de higiene pessoal, com vendas de R$ 85,9 milhões; o Comércio varejista de mercadorias em geral, sem predominância de produtos alimentícios, com vendas de 163,3 milhões; o Comércio atacadista  de mercadorias em geral, sem predominância de alimentos ou de insumos agropecuários, com  vendas de R$ 57 milhões; Comércio varejista de ferragens, madeira e materiais de construção, com vendas de R$ 66 milhões e o Comércio atacadista de produtos farmacêuticos para uso  humano e veterinário, com vendas de R$ 94,5 milhões.

Com a manutenção das medidas de isolamento social e restrição da circulação de veículos até o  dia 10 de julho/2020, o segmento Petróleo, Combustíveis e Lubrificantes continua apresentando uma forte retração nas vendas, resultando num valor a menos de R$ 34,8 milhões nos  segmentos Varejista e Atacadista.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios