Geral

Ao Planalto, deputados criticam proposta de Guedes e veem drible no teto com mudança no Fundeb

Parlamentares avisaram ao Palácio do Planalto que veem dificuldades para aprovar a proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, que prevê o uso de parte do Fundeb para um programa de transferência de renda.

O governo aceitou a proposta da Câmara, de subir a complementação da União no fundo que financia a educação básica de 10% para 20%, mas desde que 5% dos dez pontos percentuais de aumento na participação da União seja destinada à “transferência direta de renda para famílias com crianças em idade escolar que se encontrem em situação de pobreza ou extrema pobreza”.

Líderes da Câmara avisaram ao Planalto que, se o governo quiser, terá de propor um percentual adicional, fora dos 20%, uma vez que a contraproposta de Guedes furaria o teto de gastos. O Fundeb está fora da regra que, desde 2016, impede o crescimento de gastos acima da inflação.

O governo, de olho no apoio eleitoral das classes mais vulneráveis da sociedade, busca ampliar políticas sociais como esse projeto, apelidado nos bastidores de ” Bolsa Família da Eduação”.

No entanto, integrantes do governo, de posse da informação de líderes partidários, querem convencer o presidente Bolsonaro a pedir a Guedes que negocie um acréscimo ao percentual de 20% já consensual na Câmara.

Rodrigo Maia, presidente da Câmara, trabalha para aprovar o Fundeb nesta semana.

Governistas tentam adiar a votação do Fundeb por algumas semanas, argumentando que o novo ministro da Educação acabou de assumir — e ainda precisa se inteirar do assunto.

Deputados ouvidos pelo blog são contra essa estratégia e querem votar nesta semana.

Se o Fundeb não for votado neste ano, ele perde a validade.

COM G1

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios